Sielp2018 – Dificuldades e desafios de um professor de Português Língua Estrangeira em Portugal – Resumo da comunicação

Segue neste post o resumo da comunicação individual e o anúncio do programa definitivo que podem consultar aqui

Dificuldades e desafios de um professor de Português Língua Estrangeira em Portugal

Resumo:Este artigo tem por objetivo levantar alguns dos problemas com que os docentes de Português Língua Estrangeira se debatem quotidianamente na sua prática pedagógica. Procuraremos, a partir da experiência adquirida enquanto docente de Português Língua Estrangeira e investigador em didática das línguas, e dos contactos mais ou menos formais que se foram estabelecendo com outros professores e investigadores ao longo dos anos, abordar questões que têm gerado problemas no contexto da prática pedagógica (e.g.elaboração de programas, recursos impressos, escolhas metodológicas) e que, na nossa opinião, não têm recebido a devida atenção, nomeadamente por parte das editoras. Convocaremos igualmente o campo teórico e metodológico da Didática do Português, dado o interesse que a área do ensino do Português enquanto L2 tem despertado nos últimos anos. Abordaremos temas como os programas e referenciais oficiais para o ensino do português enquanto língua estrangeira, os recursos textuais (manuais editados em Portugal para uso no ensino e na aprendizagem do Português Língua Estrangeira, por exemplo), a adequação aos níveis de proficiência do Quadro Europeu Comum de Referência para as Línguas (Conselho da Europa, 2001), os conteúdos linguísticos e as escolhas metodológicas dos manuais ou programas oficiais. As linhas de reflexão apresentadas pretendem ser desafiadoras e provocadoras para a reflexão didática em torno do ensino do Português Língua Estrangeira, no sentido de incitar ao debate sobre questões teóricas e metodológicas, que na minha opinião continuam insuficientemente investigadas, permitindo melhorar a formação dos professores e a aprendizagem dos alunos de português, seja em contexto de língua de herança, língua segunda ou língua estrangeira (Carreira, 2013).

Palavras-chave:Didática do Português Língua Estrangeira (PLE); Ensino da LE; Programas de PLE; Manuais Escolares; Conteúdos Programáticos

 

Abstract: The aim of this article is to raise awareness of some of the issues faced by teachers of Portuguese as a foreign language (PFL) on a daily basis. Based on the experience acquired as a PFL teacher and researcher in the teaching and learning of languages, as well as on the somewhat formal contacts established throughout the years with other teachers and researchers, this study tackles the issues that have generated problems within the context of pedagogical practice (writing of syllabi, printed resources, methodological selection). Such issues, in my opinion, have not been given the necessary attention, especially by the publishing houses. Simultaneously, the study reviews the theoretical and methodological field of Portuguese Didactics, since there has been a significant increase in the interest in the PFL area in recent years. More specifically, the topics discussed include: official programs and references for the teaching of Portuguese as a FL, textbooks (edited in Portugal for the use of teaching and learning of PFL, for example), the adequacy to the proficiency levels of the Common European Framework of Reference for Languages (Council of Europe, 2001) and the linguistic content and the methodological choices of the official textbooks and programs. In order to encourage debate on theoretical and methodological issues, the lines of reflection presented in this study are challenging and provocative, and meant for didactic reflection on the teaching of Portuguese as a Foreign Language. In my opinion, these are still insufficiently researched, such reflection will improve teacher training and the learning of Portuguese, whether in the context of a heritage language, a second language or a foreign language (Carreira, 2013).

Keywords: Portuguese as a foreign language Didactic (PFL); Foreign Language Teaching; PFL Syllabi; Textbooks; syllabi contents.

 

Publicités

VII SIELP – Simpósio Internacional de Ensino da Língua Portuguesa

SIELPExtraído do site do simpósio VII SIELP

« Nascido em 2011 no Brasil, no âmbito de um projeto desenvolvido na Universidade Federal de Uberlândia, rapidamente o SIELP – Simpósio Internacional de Ensino da Língua Portuguesa se afirmou como um importante espaço de reflexão e debate sobre a questão do ensino do Português. A regularidade da sua realização, a capacidade de atração de um vasto público interessado e participativo e o envolvimento de um vasto conjunto de investigadores com amplo reconhecimento nessa área são disso a maior evidência.

Assumindo um carácter internacional, o SIELP não se confinou, no entanto, ao espaço brasileiro e, no quadro de relações inter institucionais que se têm vindo progressivamente a fortalecer, rapidamente se estendeu a Portugal, onde em 2013, no Instituto Politécnico de Santarém, e em 2016, na Universidade do Minho, se realizaram, respectivamente, a terceira e a quinta edição deste evento.

Numa perspetiva de afirmação deste Simpósio como evento de referência no campo dos estudos sobre o Ensino da Língua Portuguesa e de consolidação das parcerias que têm possibilitado a sua realização dos dois lados do Atlântico, em 2018, o SIELP, na sua sétima edição, terá novamente lugar em Portugal, numa organização do Centro de Investigação em Educação (CIEd) do Instituto de Educação da Universidade do Minho, instituição com forte tradição na formação de professores de Português e com trabalho de investigação reconhecido no domínio da sua Didática. »

O Simpósio vai decorrer de 16 a 18 de julho na Universidade do Minho em Braga, no qual irei apresentar duas comunicações (uma individual e outra conjunta). No próximo post publicarei o resumo da comunicação individual.

Destaco os conferencistas convidados:

  • João Costa (Faculdade de Ciências Sociais e Humanas da Universidade Nova de Lisboa / Secretário de Estado da Educação);
  • Sírio Possenti (Instituto de Estudos da Linguagem – Unicamp);
  • Joaquim Golz (Faculdade de psicologia e Ciências da Educação da Universidade de Genebra)

Convido-vos a participar.

Link para o programa: Programa Provisório VII SIELP

Da especificidade do professor de Português Língua Estrangeira (I)

Post muito interessante sobre as especificidades do ensino do PLE

o português não tá cansado

Quando me apresento como professor de Português Língua Estrangeira (PLE), é frequente gabarem-me a sorte de ter um trabalho tão criativo. Mas a verdade é que, como qualquer outro professor, o professor de PLE precisa de aliar à indispensável criatividade o rigor. Persiste no imaginário de muitos a ideia de que o único requisito para ensinar uma língua é tê-la como língua materna (eu sei falar português, logo eu posso ensinar português), ou seja, de que ensinar a própria língua não exige grande preparação nem trabalho. No máximo, admite-se que um professor de português está mais qualificado para desempenhar essa tarefa, sem se considerar todavia que o ensino de português a falantes de outras línguas compreenda uma especificidade. A realidade contraria esta ideia: grande parte dos professores de português do ensino primário e secundário vêem-se em sérias dificuldades quando acolhem numa turma um aluno com conhecimentos incipientes da língua portuguesa…

View original post 1 212 mots de plus

Comment éviter les répétitions – ppt télécharger

Le pronom. – ppt télécharger

Will education in the mother tongue contribute to the increase of digital literacies?

Novo artigo publicado no qual se cruzam e analisam dados resultantes de uma pesquisa que desenvolvi.

Abstract

We live undoubtedly in a digital era in which younger people have more technological knowledge and use technology more than older people who mostly must adapt their lives and practices, learning how, why, and when to use digital tools. In schools, this gap is visible if we compare the curricula for teaching the Portuguese mother tongue and teachers’ practices. As we demonstrate, the references in syllabi are residual, and teachers use digital tools as they used other tools before. This paper aims to summarize and to intersect the results from previous studies on information and communication technologies (ICT), Portuguese mother tongue syllabi, and teachers’ practices with ICT. It also points out some causes of the lack of aims for the increase of digital literacy in mother tongue education.

As dimensões da escrita

Reflexão interessante acerca da escrita

Humanidades Digitais

Followtheseinstructions, Flickr, 19 de agosto de 2012 Bélgica Followtheseinstructions, Flickr, 19 de agosto de 2012 Bélgica

Desde o início dos tempos a escrita e suas diversas formas representavam o ponto nevrálgico da disseminação do conhecimento. É interessante notar que ainda hoje continua a desempenhar papel central em diversos âmbitos.

Nestes novos tempos digitais, nem tão novos assim, a escrita continua a ocupar o centro. Muitos dirão que não, que mudou demais para que se faça tal afirmação. No entanto mesmo que transfigurada pelo “internetês” é interessante como se faz necessária para expressar e comunicar conteúdos e percepções. Curioso também é o uso de caracteres para expressar emoções. Os tão conhecidos emoticons parecem não dar conta de toda a complexidade e sofisticação que modelam a linguagem no contato diário e imersivo que a Internet provém com sua tão costumeira profusão de conteúdo.

Tão sedutor quanto preocupante é o efeito causado por tal profusão de conteúdo. A questão-chave que a…

View original post 475 mots de plus

%d blogueurs aiment cette page :